Na TV, pacientes denunciam Secretaria de Saúde do Recife por interromper serviços na Central de Alergologia

0
282

O programa vai ao ar na manhã desta terça (7), a partir das 6h30min

Imagem: Divulgação / Balanço Geral PE

Igor da Nóbrega

O programa Balanço Geral desta terça (7) vai apresentar uma denúncia contra a Secretaria de Saúde do Recife. Segundo pacientes que precisam de imunoterapia, a Central de Alergologia interrompeu os serviços de vacinas para quem faz parte do grupo de risco, tornando-os mais suscetíveis ao novo coronavírus. O programa vai ao ar a partir das 6h30min.

Uma das atingidas pela interrupção dos serviços é Letícia Gabrielle, de apenas 12 anos, portadora de asma crônica e da chamada Síndrome Pulmonar Obstrutiva, que gera dificuldade no aparelho respiratório. “Ao chegar à clínica, para nosso espanto, estava fechada e com os serviços suspensos, por determinação da Prefeitura do Recife. Como a prefeitura pode fechar uma clínica de vacinação com tratamento em andamento? Se o paciente perder a dose, todo o tratamento é anulado. Também não foi transferida essa prestação de serviço de saúde para nenhuma outra unidade pública. Entramos em contato com a ouvidoria municipal de Saúde várias vezes, através do 0800 281 1520. Da última vez, no dia 31/03/2020, às 8:50h, foi protocolada por pedido nosso”, explicou a mãe da pré-adolescente, Érika Feitosa.

A mãe da jovem destaca ainda o sofrimento enfrentado por Letícia contra os problemas de saúde. “Infelizmente, minha filha já foi internada às pressas na UTI quatro vezes, por 15 dias. Depois de passar por vários médicos, uma pneumologista a encaminhou para um tratamento de vacinas na Central de Alergologia do Recife. Em 2017, conseguimos marcar uma consulta e, quase um ano depois, para ela fazer um exame, em março de 2018, que só é aceito se fizer na própria clínica de alergologia do Recife. Na volta ao médico, ela foi encaminhada para iniciar o tratamento da vacina, que são 14 sessões, com cinco doses cada. No último dia 24 de março ela tomaria a quinta e última dose da 9ª série. Caso ela não tome essa vacina, que não é fornecida pela rede particular de forma fracionada, fica mais suscetível ao contágio do Covid-19. No caso dela, que é grupo de risco, poderá ser fatal”, desabafou Érika.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui