Bolsonaro vai sancionar projeto que libera R$ 60 bi a estados e municípios

0
224

A medida visa amenizar a crise financeira provocada pela pandemia do coronavírus

Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

UOL

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta quinta (21), que vai sancionar o projeto que libera socorro financeiro de R$ 60 bilhões a estados e municípios. A medida visa amenizar a crise financeira provocada pela pandemia do coronavírus.

O chefe do Executivo disse que vetará alguns pontos, mas não detalhou quais. O único consenso é de que será vedada a possibilidade de conceder aumento a servidores públicos até o final do ano que vem, atendendo a um pedido do Ministério da Economia e dos estados. O texto está na mesa do presidente para sanção ou veto desde o dia 6 de maio.

O anúncio foi feito durante uma reunião entre Bolsonaro e os governadores, realizada por videoconferência. O encontro durou cerca de 1h e teve clima amistoso, indicando uma possível trégua na sucessão de atritos entre o mandatário e chefes de Executivo estadual. Horas antes, em encontro com apoiadores, o presidente havia feito críticas a chefes de Executivo estadual, sem citar nenhum nominalmente.

Participaram ainda da reunião os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM) e Davi Alcolumbre (DEM), respectivamente, além de ministros de Estado e alguns parlamentares.

“A cota de sacrifício dos servidores é não ter reajuste até 31 de dezembro do ano que vem. Foi conversado o que o servidor poderia colaborar nesse momento difícil. Tiveram proposta de redução de 25%. Em comum acordo com os poderes, concluímos que congelando o salário esse peso seria menor”, disse o presidente.

Bolsonaro trava uma guerra com governadores e prefeitos devido a divergências em relação ao enfrentamento dos impactos do coronavírus. O presidente quer a flexibilização da quarentena, e os rivais continuam a defender a necessidade de medidas restritivas, em menos ou maior escala.

Na reunião de hoje, chamou a atenção a cordialidade com que Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se trataram, após meses de trocas públicas de farpas e ofensas.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui