PF deflagra operação contra fraude na compra de produtos hospitalares

0
548

As investigações apontam desvios superiores a R$ 750 mil dos cofres públicos

Sede da Polícia Federal em Brasília

Mais Agreste, com Agência Brasil

Nesta sexta (5), a Polícia Federal, com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU), vem realizando a Operação Dose de Valores. Na ação, estão sendo cumpridos 33 mandados de busca e apreensão em endereços em municípios acrianos e em Porto Velho (RO). O trabalho investiga o combate à supostas fraudes na área da saúde no Acre.

Segundo as investigações, mais de R$ 750 mil foram desviados dos cofres públicos. A principal irregularidade é a emissão de notas fiscais frias pelas empresas envolvidas. A ação, que é um desdobramento da Operação Off Label, deflagada há dois dias, conta com a atuação de três auditores da Controladora Geral da União (CGU) e 160 policiais federais.

As suspeitas começaram quando a CGU identificou falhas relativas à aplicação dos recursos federais pela Prefeitura de Cruzeiro do Sul (AC), em 2017. Desde então, uma série de possíveis irregularidades vêm sendo cometidas na contratação de empresas que fornecem produtos médico-hospitalares.

Hoje, estão sendo investigados indícios de conluio entre empresas que participaram das contratações, além das investigadas no Operação Off-Label. Na mira da PF e da CGU, ainda estão compras sem realização de procedimento administrativo, direcionamento de processos licitatórios e indícios de pagamento por medicamentos e outros insumos não entregues ao município e com preços superiores aos praticados no mercado.

Até agora, além da capital Rio Branco e de Cruzeiro do Sul, foram constatados indícios de fraude nas cidades de Feijó, Tarauacá, Senador Guiomard, Sena Madureira e Porto Acre, onde outras empresas do mesmo grupo possuem contratos públicos.

Após autorização judicial, os agentes identificaram transferências bancárias das contas de empresas e sócios para agentes públicos. As provas já obtidas indicam supostos pagamentos de vantagens indevidas de mais de R$ 446 mil a servidores de sete prefeituras e de quatro órgãos da estrutura administrativa do estado do Acre.

Denúncias

A CGU, por meio da Ouvidoria-Geral da União (OGU), mantém o canal Fala.BR para o recebimento de denúncias. Quem tiver informações que ajudem esta operação ou sobre quaisquer outras irregularidades, pode enviá-las por meio de formulário eletrônico. Para a denúncia ser anônima, para isso, basta escolher a opção “não identificado”.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui