IBGE: Nordeste concentra metade de domicílios sem abastecimento de água no país

0
165

Os dados são da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB), divulgados pelo IBGE

19.dez.2016 – Moradores de Alagoinha (PE) carregam baldes com água potável. (Foto: Beto Macário / UOL)

UOL

Dos 9,6 milhões de domicílios brasileiros ainda não ligados à rede de abastecimento de água, metade está no Nordeste, região que tem a maior parte do território no semiárido e enfrenta constantes secas. Os dados são da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta (22).

A pesquisa revelam ainda que o Brasil tem conseguido avançar no percentual de ligações de abastecimento por rede.

Em 2017, havia 59,8 milhões de residências abastecidas no país, contra 45,3 milhões em 2008 (ano da última PNSB). Com isso, o percentual subiu de 77,9% para 86,1% de cobertura.

Analisando os municípios, o levantamento aponta que o percentual dos abastecimentos de água encanada também aumentou, chegando a 99,6% – 5.548 dos 5.570 municípios, em 2017.

De 2008 a 2017, essa proporção aumentou 0,2 ponto percentual (era de 99,4%, ou 5.531 municípios).

Ainda em 2017, a região Sul foi a segunda do país a ter 100% dos municípios com serviço de abastecimento de água por rede geral de distribuição. Antes, apenas o Sudeste já havia alcançado a marca.

A seca afeta o fornecimento e causa racionamentos, aponta IBGE
Em 2017, dos 22 municípios sem prestador de serviço de abastecimento de água, 13 eram do Nordeste, sete do Norte e dois do Centro-Oeste.

Além de muitas casas sem água encanada, a região Nordeste ainda é a que mais sofre com intermitência no abastecimento e racionamentos.

“A paralisação completa dos serviços de alguma entidade foi observada em 68 municipalidades brasileiras, sendo 59 localizadas na região Nordeste, com destaque para o Rio Grande do Norte (20) e a Paraíba (31). A seca foi um dos motivos apontados para a paralisação dos serviços em 59 municípios, todos eles nordestinos”, relata a pesquisa.

A falta de abastecimento de água pode acarretar problemas sanitários, aponta o IBGE. “Episódios de interrupção, racionamento ou paralisação dos serviços, se duradouros, podem comprometer, seriamente, a saúde da população, não só por privá-la do consumo de água em quantidade e qualidade suficientes, mas também por acabar levando-a a recorrer a soluções nem sempre adequadas. É o caso do armazenamento inadequado da água, que pode propiciar a proliferação de vetores de diversas doenças, como o mosquito transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela.”

Má qualidade da água intensificou avanço da zika

Um dos exemplos disso ocorreu entre 2015 e 2016, quando o Nordeste foi epicentro de uma epidemia causada do vírus da zika, que causou uma série de problemas na formação neurológica em bebês. Na época, a região enfrentava uma grande seca e a qualidade da água foi apontada como uma das causas do agravamento do problema.

Além disso, o levantamento ainda aponta que a região é a que tem maior problema na qualidade da água. O volume de captação de água salobra chega a 10,2% do total no Nordeste, enquanto a média nacional é 2,7%.

Também é no Nordeste que temos o maior percentual de municípios sem estações de tratamento: 24,2%, quando a média nacional foi de 11,7%.

Domicílios sem abastecimento de água:

  • Nordeste – 4,8 milhões (26,6% da região)
  • Norte – 2,7 milhões (52,4% da região)
  • Sudeste – 912,8 mil (3,0% da região)
  • Sul – 703,1 mil (6,7% da região)
  • Centro-Oeste – 491,2 mil (9,1% da região)
  • Brasil – 9,6 milhões (13,9% do país)

Municípios sem estações de tratamento de água:

  • Nordeste – 24,2%
  • Norte – 21,6%
  • Sudeste – 4,6%
  • Sul – 3%
  • Centro-Oeste – 2,4%
  • Brasil – 11,7%

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui