SP: Após apresentar sintomas de Covid-19 e buscar atendimento, mulher é assediada e denuncia médico

0
285

O caso aconteceu durante uma consulta médica no Centro de Combate ao Coronavírus, em São Vicente, no litoral de São Paulo

Foto: Reprodução / Facebook

Correio Notícias, com Santa Portal

Um caso de assédio sexual aconteceu durante uma consulta médica na cidade de São Vicente, no litoral de São Paulo. Uma recepcionista, 29 anos, fez uma denúncia à direção Centro de Combate ao Coronavírus, local administrado pela Prefeitura Municipal.

Vivian Herculano Salvatore procurou atendimento após sentir sintomas relacionados à Covid-19. Chegando ao local, foi atendida por um médico, que perguntou quais os sintomas que a paciente vinha sentindo, como também o que gostava de fazer para ‘desestressar’.

“Ele perguntou o que eu estava sentindo e descartou que eu estivesse com a doença. Disse que estava com estresse e que isso poderia ter desencadeado os sintomas”, afirmou a vítima.

Como se não bastasse, o médico ainda invadiu a privacidade de Vivian, perguntando se ela namorava. “Eu falei que tinha dois filhos e que era solteira. Aí ele me perguntou se eu tivesse a oportunidade de namorar, se eu namoraria. Eu respondi que não sabia”, explicou Vivian.

Em seguida, a paciente foi encaminhada para fazer um exame de raio-X. A mulher também foi orientada sobre o teste rápido e o teste RT-PCR (laboratorial). Quando retornou à sala, foi informada que estava apenas sob estresse. “Foi quando ele voltou a perguntar sobre ter um namorado. Ele me perguntou se me faltava coragem, oportunidade ou vontade. Eu apenas respondi que não sabia”, relatou.

O mais grave ainda estava por vir. Segundo a recepcionista, o médico olhou para a porta do escritório, que estava entreaberta, e perguntado o que ela faria para desestressar naquele momento. Após isso, teria se levantado da cadeira e parado na frente da jovem, fazendo mais um questionamento. “Ele voltou a me dizer – a oportunidade você tem agora. O que te falta, coragem ou vontade?”, indagou.

Centro de Combate ao Coronavírus. “Foto: Prefeitura de São Vicente / Redes Sociais)

Por fim, Vivian foi questionada sobre sentir falta de calor humano, já que um abraço poderia desestressá-la. “Eu só pensava que ele poderia ter feito isso com outra menina, mais nova. Eu nunca passei por isso. Tenho 29 anos e não sabia como agir. Imagina uma jovem de 18 anos”, pontuou Vivia, que saiu da sala e foi realizar uma denúncia à diretoria da unidade.

De acordo com a Prefeitura de São Vicente, o médico suspeito foi afastado imediatamente após as denúncias.

O caso foi registrado na Delegacia de Defesa da Mulher de São Vicente.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui