Aprovação a Bolsonaro sobe e é a melhor desde o início do mandato, diz Datafolha

0
417

O instituto entrevistou por telefone 2.065 pessoas nos dias 11 e 12 de agosto

Foto: Yala Sena / Folhapress

UOL

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está com a melhor avaliação desde que começou o mandato. Segundo o Datafolha, 37% dos brasileiros consideram o governo ótimo ou bom. Já na pesquisa anterior, realizada nos dias 23 e 24 de junho, o percentual era de 32%.

Mais acentuada ainda foi a queda na curva da rejeição – caiu de 44% para 34% os que o consideravam ruim e péssimo no período. Consideram o governo regular, por sua vez, 27%, ante 23% em junho.

O instituto entrevistou por telefone 2.065 pessoas nos dias 11 e 12 de agosto. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou menos.

Na manhã desta sexta-feira, o presidente, antes sempre crítico às pesquisas do Datafolha, desta vez usou a tática do morde e assopra ao compartilhar a notícia sobre o avanço de sua aprovação: “Verdade, meia verdade ou fake news? Bom dia a todos”, afirmou Bolsonaro em uma rede social.

A mudança do humor da população ocorreu concomitantemente à maior alteração na persona pública de Bolsonaro desde que ele saiu da obscuridade como parlamentar de baixo clero e chegou à Presidência no ano passado.

O presidente passou o primeiro semestre em um crescente embate institucional, que chegou ao paroxismo com sua participação em atos pedindo o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal.

Em junho, a crise amplificou-se, com rumores alimentados por notas oficiais acerca de intenção de uso das Forças Armadas e com críticas a decisões que contrariavam o Planalto no Judiciário.

Ao mesmo tempo, o presidente liderava o ataque direto às políticas de isolamento social da pandemia da Covid-19, que no começo classificara de “gripezinha”.

Aos poucos, a tensão levou a especulações nos meios políticos sobre um eventual impeachment do presidente. Isso o fez mudar de rumo no Congresso, aliando-se a partidos do centrão que antes espezinhava, dando cargos e verbas em troca de apoio.

Mas o ponto de inflexão é 18 de junho, quando é preso Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio, investigado no caso das “rachadinhas” e elo entre o gabinete do hoje senador e milícias no Rio de Janeiro.

Com a pesquisa de junho indicando estabilidade em sua avaliação, apesar de estrago visível do caso Queiroz, Bolsonaro submergiu.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui