Nova cepa mais infecciosa do coronavírus aflige epidemiologistas e também é detectada na Itália

0
321

“Nada indica, até o momento, que esta nova cepa cause uma taxa de mortalidade mais alta ou que afete as vacinas e os tratamentos, mas há trabalhos sendo realizados com urgência para confirmar isso”, explicou o médico-chefe da Inglaterra, Chris Whitty

Foto: Simon Dawson

AFP

A aparição no Reino Unido de uma nova cepa do coronavírus, muito mais infecciosa que as outras, preocupa os epidemiologistas e levou vários países a suspender os voos procedentes do território britânico, neste domingo (20).

O conselheiro científico do governo britânico, Patrick Vallance, afirmou, no último sábado (19), que a nova variante do SARS-CoV-2 gerou “um aumento muito forte” das hospitalizações durante o mês de dezembro, transformando-se na forma “dominante”, além de se propagar rapidamente. A nova cepa teria aparecido em meados de setembro em Londres ou em Kent (sudeste).

“O grupo consultivo sobre ameaças novas e emergentes de vírus respiratórios (NERVTAG) considera que a nova cepa pode se propagar mais rapidamente”, declarou o médico-chefe da Inglaterra, Chris Whitty, em um comunicado.

Essa ideia se baseia na constatação de “um aumento muito forte de casos de contágio e de hospitalizações, em Londres e no sudeste, em comparação com o resto da Inglaterra nos últimos dias”, explica o professor de medicina Paul Hunter, da Universidade de East-Anglia, citado no site do Science Media Centre.

“Este aumento parece ser causado pela nova cepa”, acrescentou, em alusão às informações fornecidas pelas autoridades de saúde.

No entanto, “nada indica, até o momento, que esta nova cepa cause uma taxa de mortalidade mais alta ou que afete as vacinas e os tratamentos, mas há trabalhos sendo realizados com urgência para confirmar isso”, continuou Chris Whitty.

Epidemiologistas preocupados

A informação “sobre esta nova cepa é muito preocupante”, afirmou o professor Peter Openshaw, imunologista do Imperial College de Londres, citado pelo Science Media Centre. Principalmente porque “parece ser entre 40% e 70% mais transmissível”.

“É uma notícia muito ruim”, comentou o professor John Edmunds, da London School of Hygiene & Tropical Medicine. “Parece que esse vírus é muito mais infeccioso que a cepa anterior”.

Em sua página do Facebook, o geneticista francês Axel Kahn lembrou que, até agora, “foram sequenciadas 300.000 mutações do SARS-CoV-2 no mundo”.

A nova cepa incorpora uma mutação, chamada “N5017”, na proteína da “espícula” do coronavírus, que permite que o vírus se prenda às células humanas para penetrá-las.

Segundo o doutor Julian Tang, da Universidade de Leicester, “essa mutação N501Y já circulava muito antes, de forma esporádica, neste ano fora do Reino Unido, na Austrália em junho-julho, nos Estados Unidos em julho e no Brasil em abril”.

“Os coronavírus sofrem mutações o tempo todo, então não é surpreendente que surjam novas variantes do SARS-CoV-2”, lembrou o professor Julian Hiscox, da Universidade de Liverpool. “O mais importante é tentar saber se essa variante tem propriedades que têm um impacto na saúde dos humanos, nos diagnósticos e nas vacinas”.

“Quanto mais vírus houver e, portanto, mais pessoas afetadas, mais mutações aleatórias haverá” que sejam “vantajosas para o vírus”, acrescentou Axel Kahn.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), além dos “indícios preliminares de que a variante pode ser mais infecciosa”, a cepa em questão “também poderia afetar a eficácia de alguns métodos de diagnóstico, de acordo com informações preliminares”.

No entanto, “não há nenhuma evidência de alguma mudança na gravidade da doença”, embora essa questão também esteja sendo investigada.

Suspensão de voos

A confirmação do nível de transmissão desta cepa levou as autoridades britânicas a decretarem um novo confinamento em Londres e em parte da Inglaterra, afetando um total de 16 milhões de habitantes.

A OMS pediu aos seus membros na Erupa para “reforçar seus controles”. Fora do território britãnico, foram detectados nove casos na Dinamarca, um na Holanda e outro na Austrália, segundo a OMS.

O Centro Europeu de Controle de Doenças (ECDC), composto por cerca de trinta países incluindo os membros da UE e o Reino Unido, não descartou que a variante já circule fora do território britânico.

Depois da Holanda e Bélgica, que suspenderam neste domingo todos os seus voos de passageiros procedentes do Reino Unido, outros países como Itália, Romênia e Alemanha também anunciaram que encerrarão temporariamente as conexões aéreas.

Vários países europeus analisam a possibilidade de adotar medidas semelhantes. Berlim também prepara restrições para conexões aéreas com a África do Sul, onde essa mesma cepa do vírus também foi detectada.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui