OPINIÃO: Governo Federal não vai impor restrição para quem não quiser tomar a vacina, diz Bolsonaro

0
181

O aviso do presidente é um sinal claro que o governo não vai cumprir a deliberação do Supremo Tribunal Federal (STF)

Foto: AFP

Correio Braziliense

Disposto a manter a sua decisão da vacina opcional, Jair Bolsonaro avisou aos ministros que o Governo Federal não vai impor qualquer restrição para quem decidir não tomar imunizante. O aviso do presidente é um sinal claro que o governo não vai cumprir a deliberação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele, inclusive, tem o respaldo da área jurídica do governo para fazer valer a sua posição. Agora, isso não impedirá que estados queiram adotar restrições, ou que quem for viajar ao exterior não seja obrigado a se vacinar, se não for uma exigência do país de destino. Mas, onde estiver ao alcance do governo federal, não haverá qualquer sanção a quem não se imunizar.

Em tempo: o presidente está tão convicto da sua posição que, se o Congresso aprovar uma lei que imponha restrições a quem não tomar vacina, Bolsonaro vetará.

Para bons entendedores…

O encontro em São Paulo entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ex-presidente Michel Temer, deixou nos deputados a sensação de que o candidato a presidente da Casa será o líder e presidente do MDB, Baleia Rossi (SP).

A esperança dos condenados

A turma condenada na primeira leva da Lava-Jato pode ser a primeira beneficiada pela decisão liminar do ministro Nunes Marques, que reduziu o período de inelegibilidade da Lei da Ficha Limpa. A alegria dessa turma vai durar pouco. O STF, como bem lembrou o ministro Marco Aurélio Mello, já havia decidido sobre a Ficha Limpa. Não pode uma liminar mudar o entendimento do plenário.

Nem vem

Não tem nada que tire mais Arthur Lira (PP-AL) do sério do que o zunzunzum de que o governo pode trocar de candidato a presidente da Câmara. Aos aliados, ele tem dito que já caminhou muito para desistir em nome de A ou B, como, aliás, já publicou a coluna.

Curtidas

Nada pessoal, ok?/ O deputado Luís Miranda (DEM-DF) foi à tribuna cobrar que o “baixo clero” tenha voz na escolha do presidente da Câmara. Ele falava da necessidade de romper a polarização entre o que ele classifica como o candidato do governo e o da oposição. Bem na hora em que ele discursava, chegou Rodrigo Maia para começar a ordem do dia. Rapidamente, Miranda encerrou seu discurso.

Veja bem/ Muitos entenderam que Miranda estava se lançando candidato. O deputado, então, resolveu se explicar: “Não é oposição às chapas, até porque só tem um candidato apresentado. Apenas uma expressão de nós, que não somos escutados. Precisamos ser escutados, porque é uma eleição muito importante. Não sou candidato e nem me referi à outra chapa como da oposição”, disse.

Este fecha muito bem um ano difícil/ Com mais de 35 anos de experiência na área de telecomunicações, Eduardo Levy Moreira, que já integrou o conselho da Anatel no passado, assume o comando da área de Relações Institucionais da OI.

Férias sem barulho/ O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) tinha motivo para renunciar ao cargo de terceiro-secretário: vai viajar de férias para o Nordeste e não quer ser incomodado para assinar papelada no recesso. De quebra, ainda abre a vaga para o senador Marcos do Val (Podemos-ES), primeiro suplente da Mesa Diretora.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui