Nove médicos pedem demissão do Hospital Municipal de Gravatá na gestão de Joselito Gomes (PSB)

0
2601

Segundo informações repassadas ao nosso site, outros dois plantonistas também devem sair daqui para este sábado (27)

Foto: SECOM

Igor da Nóbrega

A reestruturação no Hospital Municipal de Gravatá, no Agreste de Pernambuco, que recebe aproximadamente 200 pessoas por dia, levou nove médicos a pedirem demissão em apenas dois meses. Os plantonistas falam em sobrecarga de trabalho e estresse provocado pela diminuição de um médico do local.

O Correio Notícias já havia divulgado uma matéria sobre a saída de Dr. Carlos Fraga, que atuou no Sistema Único de Saúde (SUS) da cidade por quatro anos. Entramos em contato com ele, que demonstrou indignação com o anúncio feito pela Secretaria Municipal de Saúde sobre a retirada de um plantonista e incluir outro médico para tratar de casos ambulatoriais.

“Eu nunca ouvi falar, em canto algum, de colocar um ambulatório dentro de uma urgência, ou seja, querem disponibilizar um médico para atender os pacientes com casos de menor complexidade, durante 12 horas diárias. Isso não existe. Pegando o gancho do secretário de saúde, que disse que 85% dos casos são ambulatoriais, enquanto 15% é de urgência e emergência, quer dizer que apenas um médico vai dar conta de atender 85% dos pacientes, enquanto outros três vão atender apenas 15%? São coisas que não fazem sentido”, disse.

Dr. Carlos faz uma observação quanto aos atendimentos realizados em hospitais do interior, que ele intitula de ‘amburgências’, uma mistura de ambulatórios com emergências. “O hospital de Gravatá recebe cerca de 200 pessoas diariamente, com casos de muita complexidade, então, muitas vezes, os pacientes necessitam de retorno ao consultório, pois realizaram um raio-x, um hemograma ou outro exame. Com isso, esse número passa a ser de 300 ou 350. Existem as voltas dos pacientes e os encaminhamentos, fora que, em alguns dias, um médico se ausenta do plantão”, explicou.

Por fim, o plantonista deixa uma mensagem. “Eu desejo boa sorte à população de Gravatá, com esse plantão de três médicos. Diga-se de passagem que toda a classe médica do interior ficou estarrecida com esta iniciativa. Hoje a Secretaria de Saúde está tendo dificuldades para manter a escala, pois ninguém tá querendo ficar lá”, concluiu Dr. Carlos.

Nossa redação também entrou em contato com Dr. Rodrigo Lira, outro médico a pedir demissão. O clínico geral relata os motivos que o fizeram sair. “A redução de quatro para três médicos nos plantões semanais e nos fins de semana gerou um desconforto em todos os profissionais e na própria administração do Hospital de Gravatá – porteiros, técnicos enfermeiros, recepcionistas, etc. Todo mundo que sabe como funciona o sistema do hospital, sabe o quanto é difícil não ter médicos suficientes no plantão. Por outro lado, destaco a redução salarial que ocorreu no quadro da semana – uma gratificação para igualar com os salários dos médicos dos fins de semana -, e a retirada do recebimento do quinto plantão, que é o trabalho dos médicos por contrato – o médico recebe um valor ‘x’ por mês, e não pelo número de plantões. Consequentemente, em alguns meses, alguém ia trabalhar cinco plantões, mas só receberia pelo valor de quatro”, afirmou.

O novo modelo proposto pela atual gestão ainda tentou ser negociado pelos plantonistas, conforme relata Dr. Rodrigo. “Tivemos alguns encontros com a Secretaria de Saúde. O primeiro ficou caracterizado por um critério de ‘imposição’ sobre esta reestruturação. Tentamos uma nova conversa, mas novamente sem sucesso. Baseado nas mesmas imposições, eu vi que não tinha jeito e pedi demissão. Eu não vou perder minha sanidade mental e não vou atender paciente de lugar nenhum sem conseguir racionar direito por conta de estresse físico e mental. Não estou falando do registro médico, mas da vida de paciente que vai ser colocada em risco. Isso é meu ponto de vista. Quem me conhece, sabe o quanto eu amo a cidade e o quanto eu me dediquei à população”, pontuou.

Dentro do Agreste pernambucano, o plantão de Gravatá é tido como um dos mais difíceis, considerado bastante cansativo e “duro” para médicos, enfermeiros e profissionais de saúde em geral.

Além de Dr. Carlos e Dr. Rodrigo, os outros médicos que pediram demissão são Germana, Julhio, David, Carlos, Liara, Fred e Breno. Segundo informações repassadas ao nosso site, os plantonistas Wanderla e Bruno também devem sair daqui para este sábado (27).

O Correio Notícias já havia conversado com o atual secretário de Saúde, José Edson de Souza, sobre o pedido de demissão de Dr. Carlos Fraga. Clique aqui e confira a nota na íntegra.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui