Depoimento de Mayra Pinheiro, a ‘capitã cloroquina’, fica para terça (25)

0
96

Foi a médica Mayra quem apresentou o projeto piloto do TrateCov em Manaus

Foto: YouTube / Reprodução

Correio Braziliense

A sabatina que irá ouvir a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, foi adiada para a próxima terça (25). Conhecida como ‘capitã cloroquina’, Mayra é apontada como sendo a idealizadora e responsável pela plataforma TrateCov, que prescrevia o kit covid aos usuários do aplicativo.

Durante o depoimento desta quarta (19), o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello reiterou que a secretária e médica foi quem trouxe a sugestão, além de ter liderado a sistematização da plataforma.

“Ela me trouxe como sugestão, quando voltou de Manaus, no dia 6 de janeiro, que poderia utilizar uma plataforma, que já é desenvolvida para isso, uma calculadora, para facilitar o diagnóstico clínico feito exclusivamente pelo médico. E que ela iria iniciar, então, esse trabalho para fechar essa plataforma”, disse Pazuello, que passou mal durante o intervalo e, por isso, interrompeu o depoimento, que deve ser retomado nesta quinta-feira (20).

Foi Mayra quem apresentou o projeto piloto do TrateCov em Manaus. O sistema ajudava a diagnosticar a doença, após o médico cadastrar sintomas do paciente e comorbidades, como diabetes. Em seguida, a plataforma sugeria a prescrição de medicamentos como hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina, azitromicina e doxiciclina, o conhecido kit-covid.

Após a polêmica pela indicação dos medicamentos sem eficácia comprovada pela covid-19, a plataforma saiu do ar. Mas, segundo depoimento de Pazuello na CPI, afirmou que a pasta não “chegou a colocar em operação” o sistema.

O enredo deve nortear as perguntas dos senadores à secretária, que teve negado o habeas corpus pedindo o direito de permanecer em silêncio durante o depoimento. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski negou nesta terça-feira (18) o pedido feito pela médica. Para o magistrado, ela não tem motivos para temer eventual prisão ou comportamento “agressivo” de senadores, como ela alegou no pedido, por meio de sua defesa.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui